MR.GASPAROV interview


l_5621610cb8449dbadeb247881243a53c

l_0c19018453ce45fe555c0d270e726b55

l_4d893e72721570608a3901e1fb6760a8
l_8f3a9d4cb59e46678bb48f5b88ae582a

PRIMEIRA ENTREVISTA WARFACE, é com agrado e orgulho que apresentamos a entrevista a Pedro Avillez Mendes AKA  MR.GASPAROV  directamente de BARCELONA.

Um dos pioneiros da arte da bass music e do dubstep em lisboa, usa equipamentos como graphic tables, middi controllers entre outros e que juntos criaram o som unico de GASPAROV.

nesta entrevista passeamos calmamente por temas como a “cena” lisboeta e dubstep, o reconhecimento internacional, Lisboa, Barcelona, Influencias.. enfim acreditem vale a pena ler ah e surpresa surpresa

o querido MR.GASPAROV teve a bondade de nos auxiliar um MIX para o massivo portugues e todos os camones curiosos!

fiquem atentos!

* WARFACE:  Quando começaste a produzir ?
MR.GASPAROV:  Comecei a produzir em 1998 com um programa muito farsola chamado Making Waves! Era bué básico mas foi muito bom para ganhar as primeiras noções de manipulação de samples, separação de som por pistas, etc… Mas produção mesmo à séria só para aí em 2001, com o Fruity Loops e as primeiras malhas de Drum n’ Bass.

* Quando conheceste dubstep?

A primeira vez que ouvi dubstep foi em 2005 no Black Swan em Bristol. Fui lá para ouvir um amigo que era DJ de dancehall e a seguir a ele tocavam Vex’d, Atki2 e Pinch. Fiquei maluco com aquele som… Já estava farto do Drum n’ Bass da altura e o breakcore/harcore jungle era bom, mas demasiado pesado.

* MR.GASPAROV – Explicanos o nome e o conceito de intelegent bass music 
Mr. Gasparov é uma evolução do meu nome de DJ e produtor de Drum n’ Bass (e também a minha alcunha desde puto) que é Gaspa. Quando comecei a produzir sons mais na onda do IDM, e cenas mais freaks em geral, achei que devia adoptar uma nova identidade, e surgiu este nome. Inteligent Bass Music não é um conceito em si… foi uma descrição feita pelo Jon da Steak House Records que eu depois usei na minha biografia. A verdade é que não gosto muito de usar o termo inteligent… Acho um bocado pretensioso e a minha música não é mais inteligente que a dos outros (em muitos casos, bem pelo contrário)!

* Lets get technical, como é o teu set up para produzir

Uso um  PC com Cubase 5, Reason 4, Reaktor, e vários plugins. Quanto a hardware tenho um Nord Modular G2, um controlador midi básico, e um controlador midi touchscreen que fiz há uns anos como projecto final para a universidade. As cenas que uso mais sao o Reaktor, que me permite fazer os meus próprios plugins para processamento de beats, samples e vozes em tempo real, e o controlador midi touchscreen que uso para controlar estes instrumentos virtuais.

* Pergunta mitica DJing ou Produçao?

Na minha opinião são duas facetas de um artista completo. Um DJ que não produza tem muita dificuldade em progredir passado um certo nível de reconhecimento, e sobretudo em atingir um mercado internacional. Um produtor que não faça DJ set, ou que pelo menos não tenha um live, tem dificuldade em capitalizar nas suas produções, já que a venda directa de música electrónica alternativa abrange um público muito limitado e enfrenta sérias dificuldades, pelo menos até se redefinir de acordo com os novos padrões do mundo digital.

* Movimento tugastep e o completo desconhecimento do dubstep em lisboa e portgual a nao tanto tempo, como ves as coisas desde barcelona ? a evoluçao duma “cena” lisboeta?  
 (eu começei a ouvir dubstep em 2006 e lembro me da frustraçao que foi para mim ninguem conhecer e nao haverem festas.. nada. Para ti que produzes devia ser estranho nao? )

O Movimento Tugastep foi uma espécie de acontecimento freak nesse verao de 2007 e surgiu de uma ideia minha e da força de vontade do pessoal envolvido – Mushug dos Octa Push, Xu e Roka da Unidade Sonora e Iberian Records, Yari dos Deestant Rockers e a Sofia e o Joel das festa do Movimento no Kubik. Foi um esforço colectivo e deu mesmo muito gozo concretizá-lo. A ideia era precisamente enfrentar o desconhecimento da cena lisboeta da forma mais frontal possível, tipo “tão aqui três produtores de dubstep, portugueses, a fazer cenas muito boas, vejam lá se ouvem isto!”. Acho que existem condiçoes para construir uma cena sólida  de dubstep e bass music em Lisboa, como em qualquer sítio, desde que haja vontade dos intervenientes de fazer as coisas bem feitas. Nao nos podemos esquecer que o dubstep é, como quase toda a música electrónica, entretenimento, e por isso temos que dar razoes fortes às pessoas para irem às nossas festas, divertirem-se e querer voltar. A receita para mim é simples: qualidade. Se nao for bem feito, mais vale estar quieto…

*Influencias musicais e nao musicais em MR GASPAROV

As influências sao muitas e variadas… em casa oiço sobretudo soul, funk, afrobeat e hip-hop. Mas oiço muita coisa mesmo, acho que é importante ir buscar ideias a tudo quanto é sítio, porque a maior parte delas já foram inventadas por alguém. 

*Ida para barcelona e a o teu percurso a partir dai? 
Vim para Barcelona estudar em 2007 e por sorte tinha aqui dois amigos que conheci em Bristol e já se tinham começado a mover na cena do dubstep. A verdade é que até o princípio de 2009 nao se passava quase nada aqui. As festas eram poucas e inconsistentes: ou muito pequenas, ou enormes – em festivais como sonar, redbull music academy ou la mercé. Mas foi uma altura boa para conhecer pessoal com ideias parecidas e arrancar com projectos novos e potentes. O programa na sub.fm (chorizo show, sextas, 22-24h) foi uma plataforma donde surgiu o grupo das noites B·LOW e muito boas relaçoes com o pessoal da Disboot (grande editora/promotora catala), Hybrid, Dubkraft, etc. Agora pode-se dizer que existe um cena em Barcelona, embora ainda seja demasiado cedo para saber se é auto-suficiente ou nao.

*Projectos futuros e RELEASES?  

O que resta deste ano vai ser relativamente calminho, com um ou dois releases até ao fim do ano, um na senseless e outro muito, muito atrasado na dubkraft. Tenho começado várias colaboraçoes mas infelizmente tenho muito pouco tempo para produzir, espero que o próximo ano seja mais productivo…

*Como é sentir a evoluçao e o reconhecimento por exemplo de entrar numa STEPPAS DELIGH da souljazz foi um passo de gigante para lisboa e pessoalmente para ti?

Pessoalmente é muito importante e gratificante, sobretudo no primeiro release à séria, mas sei que nao me posso deixar dormir. As coisas neste nicho da música electrónica mudam muito rápido e é dificil manter a originalidade. Acho que para Lisboa também é muito significativo, visto que também entram octa push e buraka, e ao mesmo tempo dá que pensar. Prova que há muita qualidade em Portugal, muita gente a fazer e tocar muito boa música, e que agora fazem falta promotores sérios e dedicados que queiram capitalizar nesse potencial bruto! É bom ter promotores emocionalmente próximos da música que promovem, mas que ao mesmo tempo se possam distanciar e perceber como atrair o público e construir um cena, sem egos nem absolutismos.

* Por ultimo artistas que te tenham tado a surpreender 
Últimamente tenho sido surpreendido positivamente por muita gente! Primeiro o contingente venezuelano do dubstep com gente como cardopusher, pacheko & pocz ou emmerson. Sao produtores muito bons e com ideias sempre originais. Depois destaco gente como Untold, Brackles, Shortstuff, Scratcha DVA, Ramadanman, que na minha opiniao, lideram neste momento a faceta mais original do dubstep.

DOWNLOAD 320 Kbs

DOWNLOAD 192 Kbs

(to download it  right click: SAVE AS )

TRACKLIST

Pocz & Pacheko – Zarbak (Mr Gasparov Remix) – Forthcoming Senseless 
L-Vis 1990 – Hide – Dress 2 Sweat 
Cardopusher – Carne Sentada – Shockout 
Buraka Som Sistema – Kurum – Enchufada 
Octa Push – Ai Nadia – Steak House Records 
Pocz & Pacheko – Zarbak – Forthcoming Senseless 
A Made Up Sound – Closer – AMS 
Randomer – Scapegoat – MedSchool 
C156 – 1,2,3 Oink – Forthcoming Disboot 
Cauto & Das Nevez – Népia – Dub 
Stagga – Face Get Splat – Rag & Bone 
J Rogers – Meditation point (Eskmo Remix) – Blipswitch Digital 
Shortstuff – Progression – Formant Records 
Mr Gasparov – 1975 – Steak House Records 
Bok Bok – Ripe Banana – Dress 2 Sweat 
Dark Knight – Gotham City – It’s Funky 
Untold – Sweat – Hotflush 
Mr Gasparov – Ruffneck (Afrodelic Edit) – Dub 
Fulgeance – Revenge of The Nerd – All City

— 
Mr. Gasparov // Pedro Avillez Mendes

http://mrgasparov.com
http://www.twitter.com/mrgasparov
http://www.myspace.com/mrgasparov

MUCHAS GRACIAS AMIGO GASPAROV

STAY TUNED WARFACE PRODUCTIONS

Advertisements

One response to “MR.GASPAROV interview

  1. boan onda rui! obrigado 🙂

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s